Governador pede desculpas por atraso nos projetos de ciclovias prometido há mais de um ano em Manaus.

Foto: KeyceJhones
Fórum Internacional de Sustentabilidade 2012.

Em reunião fechada, sem a imprensa e a participação da sociedade, governador do Amazonas lamenta junto a sua equipe, pela falta de cumprimento ao prometer há um ano e meio, que iria fazer investimentos sérios na mobilidade urbana em Manaus e no interior, sabendo da necessidade e da demanda crescente do uso da bicicleta na capital amazonense, o governador reconhece que este modal é importante para o desenvolvimento do estado, visto que no PIM há uma crescente produção de bicicletas e o mercado de vendas e serviços também tem crescido bastante, superando todas as expectativas de alguns anos, quando se iniciava o movimento em prol do uso desta poderosa máquina de propulsão humana, que não polui, que não congestiona o trânsito da cidade e que ajuda a socializar as pessoas e afastar a criminalidade das periferias.


O governador também lamenta a falta de incentivo e promoção do ciclismo no estado, onde em um comentário feito a alguns atletas acabou desabafando que não iria investir em ciclovias na cidade para meia dúzia de desocupados, essa expressão causou muita revolta para aqueles que se dedicam em levar o nome do Amazonas para fora do estado e, quem sabe para fora do país em grandes competições.

No caso do Sr. Almeida, atropelado na última sexta (02), em uma movimentada e importante via da cidade, muito utilizada pelos atletas do ciclismos todas as manhãs. Seu Almeida como é conhecido também, passa bem e irá competir neste domingo (04) para mostrar que ainda tem garra, apesar da falta de incentivos e locais seguros para pedalar na cidade. Também muitos outros atletas sentem falta de um espaço mais seguro, pois a prática do ciclismo e de outras modalidades esportivas que usa a bicicleta como elemento, se sentem muito desprotegidos e desamparados, pois se arriscam nas estradas e nas movimentadas vias, que não oferecem nenhuma sinalização ou inibidores físicos de velocidade, além da falta de fiscalização, o que pode ocasionar mais acides e até mortes de importantes atletas do Amazonas.

Nesta reflexão o governador é lembrando rapidamente por um de seus assessores, que Manaus já teve um local muito importante para a prática do ciclismo, e foi até referência nacional na época. Isso foi em meados de 1899, onde o bairro da Cachoeirinha recebia uma grandiosa infraestrutura e estrutura com uma pista oval, construída por comerciantes locais que haviam conhecido o velódromo paulista. Batizado de Velódromo Recreio, ele possuía pistas revestidas de madeira de primeira qualidade, e chegou a ser comparado como um dos melhores do país, até melhor que o de São Paulo. Naquela época, corredores estrangeiros e do sul do país desembarcavam semanalmente de vapores no Roadway para participar de competições de bicicletas, motocicletas e tandem bike, um tipo de bicicleta mais comprida com dois, três ou seis assentos.

Essa prática na época igualava-se ao futebol dos dias de hoje, com milhares de pessoas participando ativamente das competições e torcendo pelos seus atletas favoritos. Alguns corredores marcaram época em Manaus, como o espanhol Sebastian Neira, o português José Bento e o brasileiro Alcebíades Alves, hoje nome do principal ginásio esportivo de Ivaiporã (PR), onde nasceu.

O velódromo Recreio foi desativado na década de 30, mas em 1944, no mesmo local foi construído outro, o Velódromo Álvaro Maia foi feito totalmente em alvenaria, possuía área para patinação, tênis, boxe, basquete, voleibol e pistas de atletismo, além de cabines para a imprensa, vestuário, banheiros e salas de serviços médicos.

A pista de velocidade possuía 250 metros de extensão e 35 graus de inclinação, sendo considerada pela imprensa especializada como a melhor pista do Brasil e a segunda da América do Sul (só perdia para a do Velódromo Municipal de Montevideo, no Uruguai, considerado ainda hoje uma das três melhores pistas do mundo).

Essa história contata por um de seus assessores foi tão comovente, que o governador ficou emocionado e ficou por um bom tempo sem expressar nada, apenas refletindo e para tentar reverter tudo que até hoje não fez por aqueles que há décadas se dedicam a melhorar a cidade e o estado, utilizando a bicicleta como meio de transporte e também como prática esportiva.

Quando em um momento repentino ele sorriu e falou para todos na sala: "vou ligar agora para a secretária de infraestrutura e de esportes, para que elas se mobilizem e viabilizem com urgência tudo aquilo que eu havia prometido há alguns anos". Ele também lembrou que durante o encontro com jovens e adultos no encerramento do Fórum Internacional de Sustentabilidade havia dito para todos, até para a imprensa que estava presente em peso, que "Quem usa a bicicleta deveria receber incentivos, por estar ajudando a melhorar a qualidade de vida na cidade", lembrou também, junto com outros secretários que estavam presente, assim como autoridades e personalidades famosas, que o Amazonas tem muito a ganhar se tive mais prática do uso da bicicleta, abordando que faria investimentos para essa infraestrutura em todas as suas obras, na capital e no interior.

Lembrou também do caso da Ponte sobre o Rio Negro que não tem infraestrutura segura para centenas de pessoas que usam a bicicleta no deslocamento intermunicipal e, que poderia oferecer alternativas até para incluir um sistema nos ônibus que fazem as viagens, para facilitar a vida dos trabalhadores e turistas. Até comentou sobre a morte do senhor que estava voltando para casa de bicicleta na AM070, quando foi brutal morto na estrada, deixando filhos e a família desamparada, até questionou porque a estrada Manoel Urbano não tem ciclovia, refletindo que em uma de suas viagens de carros pela estrada percebia que há um grande trecho de ciclovia construída há algumas décadas, que hoje facilitam muito a vida de centenas de moradores das comunidades entre Manacapuru e o Miriti já próximo do quilômetro 70.

O governador falou também que as recentes parcerias com a prefeitura em diversas ações tem surtido um bom efeito para a cidade e a sociedade tem reconhecido isso. E fez até uma provocação, "amanhã vou ligar para o Arthur! Vou chamar ele para uma pedalada lá na Ponta Negra, pois eu sei que ele pedala frequentemente lá", todos riram e ficaram empolgados com essa abordagem, onde alguns assessores até comentaram, "eu pedalo lá é muito bom para descontrair um pouco, mas seria importante colocar mais espaços para pedalar na cidade". Com essa provocação de um dos seus assessores, o governador disse que já havia pedido para a secretária de infraestrutura para que incluísse no plano de obra, a construção lá na avenida das torres e que fosse prolongada até as próximas etapas da avenida que ligará até a estrada AM010, mas afirmou que isso não é o suficiente, pois seria necessário criar uma rede conectada para facilitar essa mobilidade, inclusive questionou a todos: "Alguém aqui colocou no plano de expansão da região metropolitana essa questão da mobilidade sustentável através da bicicleta e outro meios?", todos ficam olhando um para o outro, e alguém afirmou, temos o plano master, mas com a criação de decretos podemos incluir artigos abordem sobre isso, para que não só na região metropolitana tivesse uma conexão por ciclovias, mas que também se estendesse a todos os outros municípios do Amazonas.

Outro assessor interrompe um instante e fala, "colocamos sim, inclusive eu participei da redação no qual frisamos bem no Capitulo 1, sobre Plano Estratégico", deixa eu pegar aqui o arquivo no meu iPad  ... Então colocamos assim: "...Ciclovias tangenciando avenidas, parques, praças e área de lazer - transporte eficiente e acessível, que leva o estudante e o trabalhador desde a sua casa até o trabalho, à escola, às atividades diárias, esta é uma metrópole educadora e acessível."  Também abordamos sobre as ciclovias na estrada: "...
Duplicação e urbanização da AM-070 no trecho entre a ponte e o dispositivo de acesso a Iranduba. Proposta de aumento da capacidade viária, através de pista central redimensionada, combinada com duas pistas marginais para acesso à região envolventes, além de ciclovias."

Continuando a explicar todo o Plano da região metropolitana de Manaus 2010-2020, o assessor ainda aborda sobre o capítulo 4, quando trata da Visão do Futuro para a mobilidade na RMM (Região Metropolitana de Manaus), "Para garantia da Metrópole Sustentável, a expansão das redes viárias respeitará o contexto territorial e ambiental assim como privilegiará os sistemas viários mais adequados ao local e a forma mais adequada de transporte, considerando as condições e características de circulação tradicionais, garantindo segurança, conforto e confiabilidade para a população usuária de forma a dirimir e minimizar as desigualdades econômicas e sociais. A rede viária receberá e conduzirá as redes de transporte a fim de garantir a plena mobilidade, conectividade e acessibilidade a todos os cidadãos metropolitanos; priorizará e dará condições de acesso a todo pedestre, inclusive portadores de dificuldades de locomoção, adequando calçadas, ciclovias e locais públicos para o percurso a pé."

Abordou também sobre a questão da saúde e ambiente, onde a bicicleta faria uma papel importante nesse processo de qualidade de vida para as populações, quando falou do estímulo a  intersetorização, no seguinte texto:  " Exemplo desse tipo de abordagem pode ser encontrado em alternativas de transporte coletivo, associadas à arborização, ciclovias, calçamento de via etc. Quando há melhor transporte coletivo, há mais chances de as pessoas o utilizarem quando, junto a isso, se oferecem ruas mais aprazíveis e arborizadas e os cidadãos podem consorciar o transporte coletivo com caminhadas, promovendo hábitos saudáveis. Se, além disso, forem implementadas ciclovias, novas práticas salutares podem ser desenvolvidas, ao passo que todas convergem para reduções do uso de automóveis, da diminuição da poluição do ar e do estresse dos congestionamentos. Em adição, muitas pessoas deixam de ter hábitos sedentários e, assim, melhoram sua saúde, além do que, se apropriam do ambiente urbano como provedor de bem estar. Mas, para isso, uma série de medidas devem ser conduzidas em distintos setores, de infraestrutura, de saneamento ambiental, de arborização urbana, de educação e do próprio setor de saúde."

O governador ficou bem empolgado com a leitura dos trechos que falam de bicicleta para a RMM, e esperava que a reunião fosse rápida, acabou durando quase três horas, de muita reflexão e ajustes que precisam ser feitos para tornar tanto a capital, quanto o interior do Amazonas, um estado referência mundial sobre o uso da bicicleta, assim como foi no século passado, e ainda disse como palavra final: "Esse sim será o nosso legado!".

Texto imaginário, sobre algumas abordagens feitas pelo governador sobre o uso da bicicleta. 

Para ler mais sobre:
Velódromo de Manaus: http://bit.ly/15rlwma
Anúncio de investimentos para ciclovias: http://bit.ly/14rfMcI
"Seu Almeida": http://bit.ly/15tA0SC
Ciclista atropelado: http://bit.ly/1ekKByH
Ponte sobre o Rio Negro: http://bit.ly/qG1yTg
Omar Aziz determina a construção de ciclovias: http://bit.ly/16TLOtY


Compartilhe no Google Plus

Sobre Keyce Jhones

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário