ARQUITETURISMO EM PARICATUBA - Amazonas

Paricatuba é um comunidade do município de Iranduba, localizada à margem direita do Rio Negro. Seu acesso pode ser via fluvial ou estrada, com travessia do rio até Manacapuru.

Em meados do séc. XIX, foi construído do outro lado do rio, um grande prédio para abrigar antigos imigrantes que chegavam a Manaus, pelas oportunidades de trabalhos e expansão da cidade. Este grandioso e antigo prédio era a Hospedaria dos Imigrantes, com seus imensos salões, onde foram instalados os dormitórios.

Não durou muito, este antigo prédio começou a ficar sem uso, pela distância da cidade Manaus, que já crescia e era urbanizada, calçada com pedras de paralelepípedos, pedras de lioz e arenito Manaus (pedra jacaré, a pedra vermelha muito encontrada nas margens da cidade).Grandes edificações, como hotéis, palacetes e hospedarias foram construídas em Manaus. Paricatuba ficava cada vez mais distante e esquecida pelas autoridades desta época.

Mas durante sua expansão tão rápida e a chegada de inúmeros imigrantes, um surto de lepra na cidade de Manaus apareceu, assustando a todos. Autoridades buscavam soluções para "eliminar" a aparência de andarilhos pela cidade, que estava se tornando uma "Bélle Èpoque" a vitrine dos trópicos. Neste período começaram a transferir todos para um local distante, longe da riqueza urbana que Manaus estava se tornando. Foram todos para a antiga hospedaria dos imigrantes, se tornando a Leprosaria do Amazonas. Um local desprezado por todos e tão pouco falado naquela época e ainda hoje.
Ruínas de um passado intenso e turbulento são sustentados por uma vegetação que guarda a memória enraizada pelas paredes e piso da antiga Leprosaria do Amazonas. Sua arquitetura eclética tende ao estilo neoclássico, com seu frontão de acesso principal e sua arcada na varanda que circunda o prédio. (fotos das ruínas dos prédio)

Uma riqueza muito antes da Hospedaria dos Imigrantes aflora constantemente sob o solo mexido e batido durante séculos, às margens do Rio Negro. Um acervo rico de uma iconográfica milenar, sem vestígios se sua ocupação. (fotos do acervo arqueológico de Paricatuba)

Este local deveria ser patrimônio do Amazonas, por seu valor histórico e cultural tão pouco explorados por autoridades. Potencial turístico e artístico há menos de 50 minutos da capital. Sua beleza encanta com a densa flora e paisagens naturais, com sua cachoeira, igarapés, praias e mata.

Quero acreditar que além da especulação imobiliária assolando Iranduba, devido a construção da Ponte sobre o Rio Negro, possa trazer um progresso para as comunidades locais, com a implantação de um grande pólo turístico para Paricatuba.

Foto. KeyceJhones
Chegada às margens da praia da comunidade de Paricatuba, no Amazonas. Foto. KeyceJhone
s
Em períodos de vazantes, grandes praias se formam em toda a margem do Rio Negro. Foto. KeyceJhones

Comunidade de Paricatuba. Foto. KeyceJhones
Ruinas da antiga Hospedaria dos Imigrante, em Paricatuba - AM. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Ruinas dos ambientes. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Grande pátio aberto, interno à edificação. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Salões da antiga Leprosaria do Amazonas. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Varandas que circundam o prédio. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones
Escadaria de acesso a praia de Paricatuba. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Antiga fornalha, que fornecia energia para a edificação. Foto. KeyceJhones

Capela da Antiga Leprosaria do Amazonas. Foto. KeyceJhones

Vistas de um barranco para a praia de Paricatuba. Foto. KeyceJhones

Praia de Paricatuba, na outra margem do rio o municiípio de Manaus. Foto. KeyceJhones
Caminho para o antigo cemitério de Paricatuba. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones
Foto. KeyceJhones


Sino da antiga capela. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones
Quina da fachada. Foto. KeyceJhones

Escavações arqueológica em frente ao antigo Prédio. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones
Fragmentos de cerâmicas encontradas nas unidades de escavação arqueológica. Foto. KeyceJhones
Peças arqueológica de Paricatuba. Foto. KeyceJhones

Fragmentos e artefatos em cerâmicas, em Paricatuba. Foto. KeyceJhones

Peça em cerâmica rica em detelhe em baixo relevo. Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones

Foto. KeyceJhones


Maquete da antiga Leprosaria. Foto. KeyceJhones
Maquete elaborada por um morador da comunidade de Paricatuba. Foto. KeyceJhones
Maquete da Leprosaria. Foto. KeyceJhones
Comunidade de Paricatuba. Foto. KeyceJhones
Memórias de passado. Foto. KeyceJhones
Foto. KeyceJhones
Foto. KeyceJhones

Vista para a praia de Paricatuba, do outro lado da margem avista-se a cidade de Manaus. Foto. KeyceJhones
Travesia do Rio Negro de volta à Manaus. Foto. KeyceJhones
Foto. KeyceJhones

Compartilhe no Google Plus

Sobre Keyce Jhones

    Comentar com o Blogger
    Comentar com o Facebook

8 comentários:

  1. Cara Parabéns pelas fotos
    fui ontem nesse lugar (PRÉDIO) 10/06/2012
    Lugar (PRÉDIO) muito bonito,realmente faz parte da historia do amazonas
    mais fiquei muito triste e decepcionado pois o lugar está totalmente esquecido,abandonado sem preservação.

    ResponderExcluir
  2. Interessante conhecer este lugar através do seu Blog ... espero passar por lá algum dia ...

    ResponderExcluir
  3. Que lembranças ! Cheguei neste lugar em janeiro de 1990, eu trabalhava de guia turística com um grupo de suíços. Tenhamos alugado um barco em Manaus, e depois de uma primeira noite no rio Solimões infestado de mosquitos, fizemos rumo ao rio Negro. Estava deitado na parte superior do barco, tomando sol e olhando para as margens cobertas de florestas, quando de repente avistei uma escada de pedra que descia para a praia no meio do mato. Desci correndo para falar com o capitão, perguntando o que tinha lá atrás. Nada me garantiu ele, mas insisti para tirar a minha dúvida, uma escada de pedra no meio da Amazônia, tinha que ter alguma coisa atrás. Quando desembarcamos e depois de subir as escada, ficamos deslumbrados com esta visão que parecia sair de um filme de Indana Jones. Que visão fantástica. Nos nos aventuramos a dar volta ao edifício, e descobrimos no fundo uma vila de leprosos, que vivia em autarcia. Algumas famílias, com filhos saudáveis, os adultos nos explicaram que a doença não era contagiosa. Compramos pão na padaria a forno de lenha, meio que tensos com a ideia de comer, já que o padeiro era leproso também. Quando fomos embora, o capitão de barco me agradeceu, por que ele nunca sabia onde levar os turistas a passeio. Hoje Paricatuba é uma destinação turística, não tem mais leprosos, tem acesso por estrada, e me pergunto se eu fiz bem avistar esta escada....

    ResponderExcluir
  4. Keyce, ja fotografei muitas vezes o predio e arredores, porem nunca tinha vista esse sitio arqueologico. Vou voltar e fotografar. Porem espero que autoridades (in) competentes, façam algo para preservar o predio e o sitio.

    ResponderExcluir
  5. Tudo muito lindo!!! Parabéns Keyce... eu viajo nas idéias com as imagens e histórias de nossa região.

    ResponderExcluir
  6. CONHECE PARICATUBA ATRAVES DO MEU PAI QUE TRANSPORTAVA PACIENTES RENAIS E TINHA UMA PACIENTE DE PARICATUBA .ONDE ELA NÓS CONVIDOU E FOMOS LA CONHECER AINDA NÇÃO TINHAMOS A PONTE FOMOS DE BALSA A TE O CACAU E DEPOIS PEGAMOS O ONIBUS DE PARICATUBA NA VOLTA PASSAMOS DO HORARIO E NÃO TINHA MAIS ONIBUS POR ISSO VOLTAMOS A MANAUS ATRAVES DE BARCOS .MAIS FOI MUITO LINDO NOSSO PASSEIO .LEVAMOS ALGUNS AMIGO DO CÉARA E NOS INFORMARAM QUE ESSA PRAIA E MUITO PARECIDA COM A PRAIA DE IRACEMA.SÓ SEI QUE AMEI MUITO E VOLTEI MAIS VEZES .QUANTAS SAUDADES DE PARICATUBA........

    ResponderExcluir
  7. Já sabia da existência da vila de Paricatuba, mas nunca tinha estado lá, sabia da existencia das ruinas pois minha filha já havia fotografado lá, mas minha ida eté lá aconteceu por um acaso, estava indo com minha família tentando chegar a praia de Açutuba (local que ainda não conhecia), minha filha estava com o celular acessado em um GPS, quando passamos pela entrada do ramal ela disse: é aqui que o GPS está indicando, prontamente entrei no ramal e de cara achei estranho aquele ramal de "piçarra" e fomos até o final onde chegamos até as ruínas da vila, qdo. perguntei a um morador se estava perto de Açutuba ele falou Não vc terá q voltar até a estrada e entrar em uma pista asfaltada. Pretendo voltar lá e fazer algumas fotos gosto muito de ver ruínas e fotografá-las.

    ResponderExcluir